quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Sobre o Céu


"Quem não renascer da água e do Espírito
não poderá entrar no Reino de Deus" (Jo 3,5)

"Não rogo pelo mundo,
mas por aqueles que me deste, porque são teus" (Jo 17,9)

"Se vossa justiça não for maior que a dos escribas e fariseus,
não entrareis no Reino dos céus" (Mt 5,20)

"Na casa de meu Pai há muitas moradas.
Não fora assim, e eu vos teria dito; pois vou preparar-vos um lugar.
Depois de ir e vos preparar um lugar, voltarei e tomar-vos-ei comigo, para que, onde eu estou, também vós estejais" (Jo 14,2-3)


Dizia São Francisco de Sales: "Minha alma foi criada para o Céu e é para ai que me leva o anelo de meu coração; sim, paraíso de delícias, mansão divina da felicidade e da glória eterna, é entre os teus tabernáculos santos e ditosos que escolho hoje para sempre e irrevogavelmente a minha morada" (Filotéia).

E em outra parte diz o mesmo santo: "Representa-te uma noite serena e tranqüila e pondera como agradável é para a alma contemplar o céu todo resplandecente ao brilho de tantas estrelas.Ajunta a estes encantos inefáveis as delícias de um claro dia, em que os raios mais brilhantes do sol, entretanto, não encobrissem a vista das estrelas e da lua; e, feito isso, dize a ti mesma que tudo isso não é absolutamente nada, em comparação com a beleza e a glória do paraíso.Oh!Bem merece os nossos desejos esta mansão encantadora.Ó cidade santa de Deus, quão gloriosa, quão deliciosa és tu?".

E São João Bosco exclama: "Quanto devemos desejar a posse daquele lugar, onde se gozam todos os bens, sem mescla alguma de mal!A alma bem-aventurada só poderá exclamar: "Eu me saciarei com a visão da vossa glória" (Sl 16,15)." (O Jovem Instruído)

Já dizia Monsenhor Cauly, vigário geral de Reims: "O céu, ou paraíso, é um lugar de delícias onde os anjos e santos gozam eternamente de ventura perfeita, vendo e amando a Deus.Onde está esse ligar?Não podemos determiná-lo; porém, sempre que a Sagrada Escritura o menciona, usa da expressão « subir ao céu »; é por isso que costumamos pôr o céu no alto, além dos páramos imensos em que se movem os astros.Quanto à sua existência, nada há mais certo.Primeiro, a razão diz que o bem tem de ser recompensado.Ora, isto nem sempre acontece neste mundo; por conseguinte, a justiça de Deus exige outro lugar de recompensa: é o céu.Mais nosso coração tem fome e sede de ventura, e não pode saciar-se na terra; logo, Deus deve satisfazê-lo num mundo melhor.Todos os povos, todas as religiões, todas as filosofias admitiram a existência de um céu ou lugar de ventura.Os pagãos o denominavam Campos Elysios; nós o chamamos paraíso ou céu.Escusado é provar que a Revelação especialmente ensina a existência do céu, pois estas expressões encontram-se muitíssimas vezes na Sagrada Escritura.
Em que consiste a felicidade do céu?Podemos dizer que vem sintetizada nestas duas palavras: isenção de todo o mal, posse de todo o bem."
1º-Isenção de todo o mal- « Lá, como diz São João, não haverá mais choros, nem gritos, nem magoa.Deus enxugará todas as lágrimas, e a morte não existirá mais » (Ap 21).Logo, nem sofrimentos, nem doenças.O corpo será libertado de todas as misérias, livre de todas as necessidades.
Lá, não há mias ignorância, dúvida, incerteza, nem pecados; a alma também será livre de tudo quanto a perturba.
2º-O céu é a posse de todos os bens. - Quem os poderá enumerar? São Paulo diz: « O olhar do homem não viu jamais, seu ouvido nunca percebeu, nem seu coração entendeu o que Deus reserva aos que o amam » (I Cor 2).
Quem poderá analisar esta felicidade?... Para o corpo, é o gozo sem limites dos quatro predicados da glória; para a alma, é a satisfação plena de todos os desejos.Uma palavra concretiza, a ventura essencial do paraíso: visão beatífica, isto é, contemplação que torna feliz.Vê-se Deus assim como é, « face a face », diz São João, « na sua natureza e pessoa », acrescenta o Concílio de Florença.Nele vemos mais tudo quanto se pode divisar, não só com o olhar, senão também com a inteligência.
Então, vendo a Deus, nós o amamos como sumo bem, e nele amamos tudo quanto é amável, tudo quanto legitimamente temos amado na terra.
Não somente vemos e amamos a Deus, mas nós, quais os Anjos, possuímo-Lo e gozamos Dele, e como eles ainda, achamos nesta posse, tesouros, riquezas, delícias.Enfim, esta ventura imensa é perene, eterna.Não a diminui o receio de ver este gozo, este amor, esta posse acabarem-se.
Ali fica o que constitui a ventura essencial dos eleitos.Mas há mais uma felicidade acidental, que dimana do mérito particular de cada um e é proporcional a este mérito.
- « Há várias moradas no céu », diz São João. « Também o brilho difere como nos astros », diz São Paulo.Há várias auréolas de glória: Mártires, Doutores, Virgens, para premiar os três grandes méritos diferentes: dedicação a Deus, - ensino da verdade, - prática da perfeita castidade.Enfim, existem graus na visão e gozo de Deus, de acordo com o número e grau das virtudes que tivermos praticado."

Já dizia Santo Inácio de Loyola: "A terra me parece vil quando penso no Céu!"

E Santo Agostinho assim exclamava: "Veremos a Deus; havemos de amá-Lo; havemos de possuí-Lo!"

E São João Bosco dizia: "Observa ademais, filho, que tudo isso não é nada em comparação com o grande consolo que sentirá a alma ao ver a Deus.
Ele consola os Bem-aventurados com seu olhar amoroso e derrama em seu coração torrentes de delícias.
Assim como o sol ilumina e embeleza todos os objetos aonde chega sua luz, assim Deus ilumina com sua presença todo o Paraíso e cumula seus felizes habitantes com prazeres inexprimíveis.
NEle, como num espelho, verás todas as coisas, gozarás de todos os prazeres da mente e do coração.
Quanto, no Monte Tabor, São Pedro viu uma única vez o rosto de Jesus radiante de luz, foi cumulado de tanta doçura, que fora de si exclamou: "É bom para nós estar aqui!" (Lc 9,33)
Que alegria será então o contemplar, não por um instante, mas para sempre, a vista daquela face divina que apaixona os Anjos e os santos, e que embeleza todo o Paraíso!
E a formosura e a amabilidade de Maria, de quanto gozo inundará o coração dos bem-aventurados! "Como são amáveis as tuas moradas, Senhor Deus dos Exércitos!" (Sl 83,2).
Por isso, todos os coros de Anjos e todos os Bem-aventurados cantarão a sua glória, dizendo: "Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos! A Ele toda a honra e toda a glória, por todos os séculos dos séculos".
Coragem, pois, meu filho!Algo terás que sofrer neste mundo, mas não importa!O prêmio que te espera no Paraíso compensará infinitamente todos os males que tenhas padecido na vida presente.
Que consolo será o teu quando te encontrares no Céu em companhia de parentes e amigos, dos Santos e dos Bem-aventurados, e puderes exclamar: "Estou salvo e estarei para sempre com o Senhor!"
Então bendirás o momento em que deixaste o pecado, em que fizeste uma boa confissão e começaste e freqüentar os Sacramentos.
Bendirás o dia em que, deixando as más companhias, te entregaste à virtude.E, cheio de gratidão, te voltarás a teu Deus e Lhe cantarás louvores e glórias por todos os séculos dos séculos.Assim seja." (O Jovem Instruído).

Então, diz São Francisco de Sales, entrega-te à admiração de tua pátria celeste.Oh! quão formosa, rica e magnífica és tu, minha Jerusalém querida, e quão ditosos teus habitantes!
Repreende a tua frouxidão em progredir o caminho do Céu.Porque fugi assim de minha felicidade suprema?Ah!Miserável que sou! mil vezes renunciei a estas delícias infinitas e eternas, para ir atrás de prazeres superficiais, passageiros e misturados de muita amargura.Onde tinha a cabeça, quando desprezei assim os bens estáveis e dignos de almejar, por causa dos prazeres vãos e desprezíveis?
Reanima, entretanto, tua esperança e aspira com todas as tuas forças a esta estância de delícias, ó amantíssimo e soberano Senhor, já que Vos aprouve reconduzir-me ao caminho do Céu, nunca mais me desviarei dai, nem reterei meus passos, nem voltarei atrás.Vamos, minha alma querida, embora custe algum cansaço; vamos a esta estância de repouso; caminharemos sempre avante para esta terra abençoada, que nos foi prometida; que estamos nós a fazer no Egito?
Privar-me-ei, pois, disto e daquilo, destas coisas que me apartam do meu caminho ou me fazem parar.
Farei isto e aquilo, tudo que pode servir a me conduzir e a adiantar no caminho do Céu." (Filotéia)

Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário