quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

São Vicente Ferrer — Quinze perfeições necessárias para a pessoa que serve a Deus na vida espiritual

Quinze perfeições são necessárias para a pessoa que serve a Deus na vida espiritual

“O Êxtase de São Vicente Ferrer”, óleo sobre tela. Murillo, Bartolomé Esteban, http://www.wikigallery.org/


Quinze perfeições são necessárias para a pessoa que serve a Deus na vida espiritual.

A primeira, a notícia clara e perfeita de seus defeitos e fraquezas.
A segunda, uma grande e ardente ira contra as más inclinações e contra os desejos e paixões que são repugnantes à razão.
A terceira, um grande temor pelas ofensas feitas até agora contra Deus, porque não estás seguro de teres dado bastante satisfação, ou teres haver feito as pazes com Deus.
A quarta, um grande temor e tremor de que por tua fragilidade possas cair outra vez em semelhantes ou maiores pecados.
A quinta, uma rigorosa disciplina e áspera correção para o domínio dos teus sentidos corporais e para submeteres todo o teu corpo ao serviço de Jesus Cristo.
A sexta, fortaleza e grande paciência nas tentações e adversidades.
A sétima, evitar virilmente, como a um demônio infernal, toda pessoa ou qualquer criatura que te empurre ou que te seja ocasião, não só para o pecado, mas para qualquer imperfeição da vida espiritual.
A oitava, levar em si a cruz de Cristo, que tem quatro braços: primeiro, a mortificação dos vícios; segundo, a renúncia dos bens temporais; terceiro, a renúncia às afeições carnais dos parentes; quarto, o desprezo a si mesmo, a abominação e o aniquilamento de si mesmo.
A nona, a doce e contínua recordação dos benefícios divinos que, até agora recebeste do Senhor Jesus Cristo.
A décima, permanecer dia e noite em oração.
A décima primeira, gostar e sentir continuamente as doçuras divinas.[1]
A décima segunda, um desejo grande e fervoroso para exaltar a nossa fé, isto é, que Jesus Cristo seja temido, amado e conhecido por todos.
A décima terceira, ter misericórdia e piedade para com o teu próximo em todas as suas necessidades, como quisera tivessem contigo.
A décima quarta, dar graças continuamente a Deus com todo o teu coração, e em tudo glorificar e louvar a Jesus Cristo.
A décima-quinta, depois de fazeres tudo isso, sente e dize: Senhor, meu Deus, Jesus Cristo, eu nada sou, nada posso, nada valho e vos sirvo muito mal, e em tudo sou um servo inútil.[2]
(*) “Tratado de la Vida Espiritual”, São Vicente Ferrer. Edição eletrônica.
Tradução Sensus fidei.
[1] Cf. Sal., 33, 9.
[2] Cf. Lc., 17, 10.

Nenhum comentário:

Postar um comentário